quinta-feira, 17 de abril de 2014

TJDFT recebe e admite ADI dos Decretos do Auxílio-Moradia, Alimentação e Serviço Voluntário

O Desembargador ROMÃO C. OLIVEIRA, Relator do
 processo da ADI 2014 002006990-3, que trata dos “ART. 3º
 DO DECRETO 23.390, DE 26/11/02, DECRETO 24.198, DE 6/11/13, DECRETO 35.181, DE 18/02/14, CONTRÁRIOS AO ART. 14 DA LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL”, assinados pelo governador Agnelo Queiroz, emitiu despacho acerca do processo concedendo um prazo de 5 (cinco) dias ao Governador e ao Presidente da Câmara Legislativa para que contraponham o ato.


DECISÃO - "Vistos ... Cuida-se de exame de admissibilidade de rito especial a ser imprimido à ADI em face de requerimento lançado pela Procuradoria-Geral de Justiça do Distrito Federal e Territórios, (...) Colha-se a manifestação dos Senhores Governador e Presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, para que, querendo, no prazo de 5 (cinco) dias, manifestem-se, conforme autoriza o artigo 10 da Lei nº 9.868/99. Em seguida, ouça-se sucessivamente o Procurador-Geral do Distrito Federal e o Procurador-Geral de Justiça do Distrito Federal e Territórios, no prazo de 03 (três) dias. Após, retornem à conclusão. Publique-se. Intimem-se. Brasília, 07 de abril de 2014. (a) DESEMBARGADOR ROMÃO C. OLIVEIRA - RELATOR".

Brasília/DF, 17 Apr 2014 12:45AM - Acesso via INTERNET (IP:200.101.74.56)

Fonte:http://tjdf19.tjdft.jus.br/cgi-bin/tjcgi1?MGWLPN=SERVIDOR1&NXTPGM=plhtml12&SELECAO=1&Processo=20140020069903ADI&ORIGEM=INTER&Sequencia=14


SGT JOSENY LOPES27042014
Mais informações »

Assessor parlamentar que hostilizou Barbosa em vídeo pede exoneração


Assessor parlamentar que hostilizou Barbosa em vídeo pede exoneraçãoRodrigo Grassi, assessor da deputada federal Érika Kokay, protestou contra o presidente do STF ao encontrá-lo na saída de um bar na Asa Sul



O assessor parlamentar da deputada federal Érika Kokay que hostilizou o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, na saída de um bar na Asa Sul, Rodrigo Grassi pediu exoneração do cargo.

Ao Correio, ele contou que tomou a decisão após o vídeo que ele postou na internet ter sido usado como forma eleitoreira nas redes sociais para prejudicar a deputada.

Pilha, como é conhecido, vai se dedicar à militância e pode ainda abandonar o Partido dos Trabalhadores, qual é filiado desde a adolescência, para militar com isenção.

Veja a nota divulgada.

"Em atenção à notícia mentirosa e covarde veiculada pela revista Veja em 10/04/14 e propagada pela imprensa e redes sociais sobre a minha participação em ato de protesto contra o ministro Joaquim Barbosa, informo:

1) Jamais fui procurado pelo repórter da Veja para falar a minha versão sobre tal manifestação, nem antes e nem após a matéria ser publicada;

Saiba mais...
 2) O protesto foi uma iniciativa de minha inteira responsabilidade, em conjunto com as outras militantes que dele participaram, sem organização prévia e motivado apenas por convicções de caráter pessoal.Ao contrário do divulgado na matéria tendenciosa e distorcida, a manifestação ocorreu por mera casualidade após encontrarmos o Ministro Joaquim Barbosa utilizando-se de veículo e seguranças oficiais para frequentar e beber no Bar Chopin, localizado na quadra 406 Sul de Brasília;

3) Sobre a minha foto que foi usurpada pelo repórter Gabriel Castro e divulgada sem prévia autorização, trata-se de um momento de descontração em viagem de feriado onde apenas brinco e simulo que estava pilotando uma lancha, já que não possuo licença para conduzir embarcações e que, tal veículo náutico apenas fora locado com condutor devidamente licenciado, para um passeio em família;

4) Após a divulgação da matéria irresponsável e disseminadora de ódio, eu e as companheiras de militância Andreza Xavier e Maria Luiza Rodrigues estamos recebendo inúmeros telefonemas e mensagens nas redes sociais contendo xingamentos, ameaças de agressão física, ameaças de estupro e até ameaças de morte!;

5) Como militante, há mais de 15 anos participo ativamente de manifestações políticas no Distrito Federal, sempre com o objetivo de ajudar na construção de uma sociedade livre, democrática e plural, onde não haja espaço para qualquer forma de discriminação e de preconceito e onde prevaleçam os princípios da igualdade e da dignidade da pessoa humana;

6) Em respeito ao mandato da deputada Erika Kokay e, a fim de afastar as versões distorcidas e tendenciosas que buscam associar e condicionar a minha militância política ao fato de ser servidor de seu Gabinete Parlamentar, bem como pelo fato de que momentaneamente dedicarei tempo integral para acompanhar as investigações sobre a origem das ameaças supracitadas e das medidas judiciais cabíveis contra a Veja, seu repórter e todos os que estão nos caluniando, difamando e ameaçando, solicitarei exoneração, em caráter irrevogável, mesmo porque não tenho apego a cargos públicos e faço política por ideologia e não como fonte de renda.

Agradeço todo o apoio e solidariedade recebido de amigas, amigos, companheiros, companheiras de ativismo, familiares e até de desconhecidos do país todo, que não se deixam levar por notícias mentirosas e covardes da Revista Veja. Vocês nos dão força e coragem pra seguir em frente!

Seguirei na trincheira da resistência contra a judicialização da política brasileira, contra o abuso de poder, contra julgamentos de exceção e contra “poderosos” de direita.

E, mesmo que sofra futuras perseguições e ameaças por parte destes adversários e de repórteres inescrupulosos, farei futuras manifestações e vídeos a fim de denunciar e mostrar o que a mídia conservadora omite! 

JAMAIS ME CURVAREI À ELITE PRECONCEITUOSA!

Não se volta quando a meta é a estrela!

Prefiro o risco e a dignidade da luta!

Brasília, 16 de abril de 2014.

Rodrigo Grassi Cadermatori 
(Rodrigo Pilha)"

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2014/04/16/interna_politica,423531/assessor-parlamentar-que-hostilizou-barbosa-em-video-pede-exoneracao.shtml

SGT JOSENY LOPES17042014
Mais informações »

terça-feira, 15 de abril de 2014

Liliane quer explicações sobre compra de cavalos



Liliane quer explicações sobre compra de cavalos

Ao analisar os diários oficiais dos últimos dias, a deputada distrital Liliane Roriz (PRTB) percebeu um pregão um tanto quanto estranho: a compra de cem cavalos para Polícia Militar do Distrito Federal no valor de R$ 3 milhões. Ou seja: uma média de R$ 30 mil cada animal. O documento foi divulgado oficialmente no fim de março. 

Em uma pesquisa rápida, com criadores, Liliane levantou que o valor estaria superfaturado e meteu a boca no trombone. “Esse tipo de animal, nos moldes que a PM necessita, sai em média a R$ 20 mil a unidade, que pode cair consideravelmente na compra de grande quantidade”, calculou a parlamentar.

Após constatar o possível sobre preço, a parlamentar comunicou a integrantes do Tribunal de Contas do DF para contestar o edital. “É claro que o TCDF terá elementos para verificar tecnicamente o que eu percebi pelo que conheço de criação de equinos”, afirmou a distrital.

Liliane quer explicações sobre compra de cavalosblogradiocorredor.com.br/4715/Liliane-quer-
explicacoes-sobre-compra-de-cavalos-/

SGT JOSENY LOPES15042014
Mais informações »

A chave da Pandora 'Luís Inácio Lula da Silva'

A chave da Pandora 'Luís Inácio Lula da Silva'

 
O maior escândalo de corrupção no governo do Distrito Federal, batizado como Caixa de Pandora, pode ruir como um castelo de areia. O processo que teve a origem das investigações pela Sub-Procuradora Raquel Dodge, teve no seu percurso falhas que podem anular todo o processo.

O inquérito 650 que deu origem a denuncia teve a colaboração nas investigações do ex-Sub-Procurador e advogado na época, José Roberto Santoro. A procuradora Raquel Dodge colega de Santoro, quando exercia cargo de Sub-Procurador, confidenciou ao então advogado segredos da investigação que mais tarde serviu de apoio para Santoro advogar sem aparecer publicamente para um dos réus mais importante no processo.

O ex-governador, José Roberto Arruda, contou com a ajuda informalmente, mas remunerado na sua defesa. Santoro nas vésperas de ser deflagrado a operação Caixa de Pandora, estava no Rio de Janeiro acertando detalhes com Raquel Dodge de como seria a ação do Ministério Público no dia seguinte com os pedidos de busca e apreensão e até prisões a ser cumprida pela Polícia Federal.

Santoro orientou sua ex-colega e amiga a cumprir somente os mandados de busca e apreensão, e depois de analisar o material apreendido, fariam a segunda operação. Antes mesmo de acontecer a operação, Raquel Dodge, em viagem para o exterior encontrou uma amiga de infância, Maria Helena Pinheiro Penna, que é irmã do então Secretário de Planejamento e Gestão do governo Arruda, Ricardo Penna, também investigado no esquema da Caixa de Pandora. Ricardo Penna, sabia antes mesmo da operação ser deflagrada que o seu nome fazia parte do rol dos investigados.

Após a operação ser deflagrada uma rocambolesca história acontecia, o então governador, José Roberto Arruda, entrava na mira do Palácio do Planalto, pelas mãos da Empresa Brasileira de Inteligência (ABIN). O então presidente Luís Inácio Lula da Silva, tomou conhecimento que o governador de Brasília , tinha em mãos documentos que poderiam respingar no Palácio da Alvorada. Com isso a Casa Militar do Palácio do Planalto, também informava ao presidente que uma operação iria acontecer flagrando Arruda tentando comprar o silencio de uma testemunha, ai começou o rolo compressor do Palácio do Planalto para deter Arruda o mais rápido possível.

A Polícia Federal preparou uma operação com o jornalista Edson Sombra para flagrar a tentativa em comprar o silencio. Enquanto isso, o ex-presidente Lula se empenhava pessoalmente na prisão do governador junto ao presidente do STJ, Cesar Asfor Rocha. O presidente do STJ procurou o ministro encarregado do inquérito, Fernando Gonçalves, que não quis decidir monocraticamente, Lula ao telefone com Cesar Asfor, pedia o empenho absoluto fazendo o presidente do Tribunal telefonar para alguns ministros que já haviam deixado Brasília, pois era véspera de feriado. Alguns ministros retornaram a Capital Federal nas asas de aviões da FAB para votar o pedido de prisão do então governador, José Roberto Arruda. Durante a votação, Lula ficava ao telefone com Cesar Asfor Rocha, monitorando a votação.

Depois disso com Arruda já preso na Polícia Federal, o Secretário Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, pediu para o seu amigo e vizinho de fazenda, o advogado José Gerardo Grossi, levar para Arruda, o pedido de renuncia em troca da liberdade. O então governador não assinou e permaneceu preso, dai em diante o processo transcorreu lentamente, pois talvez o objetivo de muitos teriam sido alcançados. Vale a pena lembrar que Arruda à época estava cotado para ser o vice-presidente na chapa do PSDB com Serra e Aécio.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

SGT JOSENY LOPES 15042014
Mais informações »

Com 10 estações fechadas para embarque, greve do metrô causa tumulto

Com 10 estações fechadas para embarque, greve do metrô causa tumultoApenas sete dos 24 trens circularam durante o horário de pico



Na Estação Águas Claras, passageiros se espremem para entrar em vagão (Ed Alves/CB?D.A Press)
Na Estação Águas Claras, passageiros se espremem para entrar em vagão

Estações cheias, trens lotados e passageiros com dificuldades de embarcar marcam a manhã desta terça-feira (15/4), segundo dia após a retomada da greve dos metroviários. Apenas sete dos 24 trens circularam durante o horário de pico - de 6h às 8h45 e de 16h45 às 20h15. Fora dos horários de maior movimento, apenas quatro trens operam na cidade. Dez estações estão fechadas para embarque.

Laura Tostef: 'não tem para onde fugir' (Ed Alves/CB/D.A Press)
Laura Tostef: "não tem para onde fugir"

Hoje o Correio acompanhou a greve na estação Águas Claras, onde os passageiros esperam de 10 a 14 minutos para embarcar. Os trens já chegam lotados e algumas pessoas precisam fazer força e empurrar para conseguir entrar nos vagões. 

A auxiliar administrativa Laura Tostef, de 25 anos, vai todos os dias de metrô para o trabalho, no Setor de Diversões Sul. Segundo ela, há dificuldades para embarcar, inclusive no vagão exclusivo para mulheres. "Na paralisação não tem por onde fugir, seja em vagões normais ou exclusivos, os passageiros não escapam. Apesar de tudo, eu ainda levo menos tempo usando metrô", explica. 

A greve dos metroviários começou há 12 dias, em 2 de abril. Desde então, houve um aumento considerável da procura por ônibus. O Transporte Urbano do Distrito Federal (DF Trans) teve que remanejar coletivos para as regiões atendidas pelo Metrô-DF. De acordo com o governo, a frota nesta região aumentou em 30%.

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2014/04/15/interna_cidadesdf,423100/com-10-estacoes-fechadas-para-embarque-greve-do-metro-causa-tumulto.shtml

SGT JOSENY LOPES 05042014
Mais informações »

segunda-feira, 14 de abril de 2014

STF APROVA SÚMULA VINCULANTE QUE BENEFICIA BOMBEIROS E PM`s

STF APROVA SÚMULA VINCULANTE QUE BENEFICIA BOMBEIROS E PM`s

Os requisitos para a aposentadoria especial dos servidores públicos, em decorrência de atividades que são “exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física” – que pode ser concedida a quem tiver trabalhado durante 15, 20 ou 25 anos de trabalho – passam a ser os mesmos já previstos para os empregados de empresas privadas na Lei 8.213/91. Ou seja, funcionários públicos devem ter os mesmos direitos dos celetistas, pelo menos até que o Congresso aprove lei complementar específica para os servidores públicos, prevista da Constituição, mas até hoje não aprovada.
Para terminar com uma série de mandados de injunção com referência à mora do Legislativo, e evitar que milhares de servidores públicos dependam de ações individuais para obter tratamento idêntico aos celetistas, o plenário do Supremo Tribunal Federal aprovou nesta quarta-feira (9/4), por unanimidade, a Súmula Vinculante n 33 (PSV 45), nos seguintes termos: “Aplicam-se aos servidores públicos, no que couber, as regras do regime geral de previdência social sobre aposentadoria especial de que trata o artigo 40, parágrafo 4º, inciso 3º da Constituição Federal, até a edição de lei complementar específica”.
A Constituição
A Constituição vigente, ao tratar do tema em seu art. 40, § 4º, expôs, conforme os ministros e a jurisprudência dominante no STF, a intenção de proporcionar ao servidor público a aposentadoria especial nos em que houvesse exposição a agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, ao dispor: “Aos servidores titulares de cargos efetivos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquiase fundações, é assegurado regime de previdência de caráter contributivo e solidário, mediante contribuição do respectivo ente público, dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas, observado critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial e o disposto neste artigo”.
No parágrafo 4º, inciso III, a CF detalha: “É vedada a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria aos abrangidos pelo regime de que trata este artigo, ressalvados, nos termos definidos em leis complementares, os casos de servidores: cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física”.
A Lei
A lei de 1991 que trata da aposentadoria especial dos trabalhadores em geral prevê que “a aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta lei, ao segurado que tiver trabalhado durante 15, 20 ou 25 anos, conforme a atividade profissional, sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física”.Ainda conforme a mesma lei, a aposentadoria especial “ consistirá numa renda mensal de 85% do salário-de-benefício, mais 1% deste, por grupo de 12 contribuições, não podendo ultrapassar 100% do salário-de-benefício”.

fonte:http://www.bombeirosdf.com.br/2014/04/stf-aprova-sumula-que-beneficia_11.html

SGT JOSENY LOPES 14042014
Mais informações »

Rosso, o cortejado


Rosso, o cortejado

O PSD-DF que é presidido pelo ex-governador Rogério Rosso realizou na manhã desta sexta-feira,11, a apresentação de diretrizes do partido. Uma espécie de plano de governo. O encontro na sede da legenda foi bem badalado.Mais o que chamou mais à atenção foi a quantidade de presidentes de partido que participaram do evento. De Luiz Estevão(PRTB) a Roberto Policarpo(PT) foi tudo festa. 
Lembrando que o PSD possui dois minutos de tempo de televisão. Deve ser isso que deve ter atraído essa quantidade de cacique político.
Fonte: Redação / http://blogradiocorredor.com.br/4708/Rosso-o-cortejado-/

SGT JOSENY LOPES 14042014
Mais informações »

STF marca julgamento da ação penal contra o ex-presidente Collor


STF marca julgamento da ação penal contra o ex-presidente Collor


O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para o dia 24 de abril o julgamento da ação penal que envolve o senador Fernando Collor (PTB-AL), acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) dos crimes de peculato e corrupção passiva. As acusações referem-se ao período em que Collor foi presidente da República, entre 1991 e 1992, ano do impeachment que marcou o final do seu governo.
A denúncia contra o ex-presidente foi recebida pela Justiça de primeira instância em 2000 e chegou ao STF, em 2007. O processo foi distribuído para o ministro Menezes Direito, mas com a morte do magistrado, em 2008, o processo passou para relatoria da ministra Cármen Lúcia.
Em novembro do ano passado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF rapidez no julgamento da ação penal. Devido à demora do Judiciário para julgar o caso, a acusação por falsidade ideológica já prescreveu. "Para os crimes de peculato e de corrupção passiva, o prazo prescricional pela pena mínima já foi superado, de modo que, no entender do Ministério Público, é preciso conferir prioridade ao caso em tela", afirmou Janot.
De acordo com denúncia apresentada pelo MPF, foi instaurado no governo do ex-presidente Collor “um esquema de corrupção e distribuição de benesses com dinheiro público” em contratos de publicidade. Segundo o órgão, o esquema envolvia o ex-presidente, o secretário particular da Presidência e empresários.
Os procuradores relatam que o esquema consistia no pagamento de propina de empresários aos agentes públicos para que eles saíssem vencedores em licitações de contratos de publicidade e propaganda com o governo. De acordo com o MPF, valores eram depositados em contas bancárias em nome de laranjas.
Na defesa apresentada no processo, os advogados de Collor negaram as acusações e afirmaram que a denúncia do Ministério Público apresenta falhas. Segundo a defesa, o órgão fez a acusação sem apontar os atos que teriam sido praticados pelo ex-presidente.
"Não fora bastante a falta de mínimo suporte probatório que sustente a imputação, a denuncia é também omissa na descrição da conduta que pretende atribuir ao acusado a fim de ter pretensamente concorrido para a suposta fraude nos procedimentos licitatórios que teria propiciado a alegada prática de peculato. A acusação em momento algum descreve qual foi a atuação do então presidente na realização das referidas licitações ou por que meio teria influenciado seu resultado a fim de propiciar a transferência ilícita de recursos públicos para terceiros", afirmou a defesa.
Fonte: Agência Brasil/http://www.jornaldebrasilia.com.br/noticias/politica/542710/stf-marca-julgamento-da-acao-penal-collor/
SGT JOSENY LOPES 14042014
Mais informações »

Greve dos metroviários continua


Greve dos metroviários continua

Assembleia decidiu, por unanimidade, rejeitar as propostas apresentadas nas últimas reuniões com o GDF/Metrô-DF
A via-crúcis dos passageiros que utilizam os serviços da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) segue por tempo indeterminado. Em assembleia realizada na noite des domingo (13), na Praça do Relógio, em Taguatinga, cerca de 150 metroviários rejeitaram, por unanimidade, as propostas do Governo do Distrito Federal (GDF) e decidiram seguir com a paralisação até que as principais exigências sejam atendidas. Segundo o Sindicato dos Metroviários do Distrito Federal (SindMetrô-DF), durante a greve 30% dos servidores irão continuar trabalhando.
A categoria realiza uma manifestação nesta segunda-feira em Águas Claras. Eles reivindicam correção das distorções salariais do plano de carreira, redução da jornada de trabalho para seis horas, reajuste salarial de 10%, previdência complementar e aumento da quebra de caixa da bilheteria.
Leia mais na edição desta segunda (14) do Jornal de Brasília.

Veja a nota do GDF na íntegra:
"O GDF/Metrô-DF está buscando entendimento para avançar nas negociações com a direção do Sindmetrô/DF. Foram realizados vários encontros com a categoria desde janeiro de 2014, porém, não houve acordo nas cláusulas consideradas essenciais, o que levou a categoria decidir pela realização da greve de seis dias.
O GDF/Metrô-DF ajuizou o dissídio de greve, o que levou o Tribunal Regional do Trabalho da 10ª região (TRT-10) a marcar uma audiência de conciliação que aconteceu na última quarta-feira (9) com a intermediação do presidente do TRT, André Damasceno, e de representante do Ministério Publico do Trabalho.
Na última audiência realizada no TRT-10, no dia 11 de abril de 2014, com o aval da justiça trabalhista, o GDF/Metrô-DF avançou ainda mais em todas as propostas que foram consideradas cruciais em acordo com o Sindmetrô-DF. O sindicato desconsiderou os avanços nas propostas colocadas e rejeitou a mesma na mesa de negociação.
O GDF/Metrô-DF reafirma para população do Distrito Federal, conforme tabela abaixo, que a categoria recebeu aumento de salário médio, em 2013, de 96%. Este valor de reajuste só foi alcançado com um esforço na superação de gestão do atual governo para valorizar a categoria dos metroviários, bem como garantir à população do DF o melhor serviço de transporte público.
Veja a evolução salarial concedida em julho 2013 aos metroviários conforme a tabela abaixo:

EVOLUÇÃO SALARIAL – METRÔ-DF
EMPREGOS
SALÁRIO MÉDIO
PERCENTUAL DE REAJUSTE
APÓS O PCS,
EM RELAÇÃOA MARÇO/2013
Em 01/03/2013
Em 01/07/2013
Com o novo Plano de Cargos e Salários - PCS
Agente de Segurança - AS
1.835,77
3.190,36
74%
Inspetor de Segurança - IS
3.558,60
5.832,17
64%
Agente de Estação - AE
1.867,90
3.932,54
111%
Inspetor de Estação - IE
3.508,37
7.278,82
103%
Pilotos
2.241.02
4.644,91
107%
Inspetores de Tráfego - IT
3.681,25
7.388,58
101%
Controladores
4.374,62
7.846,06
79%
Aux. Serv. Ger./Telefonista
1.678,49
3.188,30
90%
Motorista
1.556,02
2.912,47
87%
Eletricista, Mecânico e Auxiliar
2.281,13
4.530,31
99%
Assistente Administrativo
2.554,56
4.739,17
86%
Nível Técnico
3.271,09
6.448,90
97%
Nível Superior
6.540,75
10.041,88
54%
REAJUSTE MÉDIO CONCEDIDO
96%


 Após reunião realizada, no dia 10 de abril, entre o Metrô-DF e o sindicato, com a intermediação do TRT-10 e do Ministério Público do Trabalho, foram escolhidos cinco pontos principais. São eles:
1 - Correção Salarial – com base na tabela salarial acima discriminada, o GDF/Metrô-DF propõe reajuste pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) (estimado em 5,62% mais 1,5% de ganho real), totalizando 7,12% aplicado sobre todas as verbas salariais e todos os benefícios;
2 - Aumento da gratificação de quebra de caixa - O GDF/Metrô-DF propõe aumento de quebra de caixa de 70 para 110 bilhetes de forma integral;
3 - Correção das eventuais distorções para empregados da Operação (pilotos, segurança e controladores) - Correção das distorções para as categorias citadas em etapas a partir deste ano até 2016;
4 - Implantação da Previdência Complementar - O GDF/Metrô-DF propõe a implantação da Previdência Complementar em janeiro de 2015, com a participação dos empregados variando entre 3 e 4% do salário base;
5 – Redução de jornada de trabalho de 8 para 6 horas - O GDF/Metrô-DF não pode acatar a proposta porque a redução de horas prejudicaria o serviço de transporte à população pela diminuição do número de empregados para operação do sistema, e resultaria em um reajuste significativo de salário pela diminuição da carga horária. Cabe lembrar que não existe autorização legal para este procedimento. Para melhorar ainda mais a qualidade dos serviços prestados aos usuários, o GDF/Metrô-DF realiza neste domingo, 13 de abril, concurso público para contratar mais 232 empregados, incluindo cadastro reserva.
Na primeira audiência de conciliação, realizada no dia 9 de abril, no TRT-10, o Sindmetrô/DF condicionou a suspensão do movimento grevista por 48 horas desde que os dias parados não fossem descontados. Para proporcionar esse serviço fundamental à população, o Metrô-DF concordou com o pagamento para avançar no acordo.
O GDF/Metrô-DF continua aberto à negociação com a categoria no objetivo de garantir a operação do Metrô para atendimento aos seus usuários. A retomada da greve não contribuirá no processo de negociação, pois além de ser uma afronta ao TRT-10 e ao Ministério Público do Trabalho, que são interlocutores oficiais da negociação em curso, é também um descaso com a população que depende deste serviço fundamental.
O GDF/Metrô-DF reafirma que atuará junto ao TRT-10 para assegurar o serviço de transporte do metrô do Distrito Federal."
Fonte: Da redação do Jornal de Brasília/http://www.jornaldebrasilia.com.br/noticias/cidades/542753/por-unanimidade-greve-continua/
SGT JOSENY LOPES 14042014
Mais informações »
© ESPAÇO LIVRE PMDF - Joseny Lopes |