Cleptocracia autista: O governo Dilma acabou



Está lá na Wikipedia: cleptocracia é um termo de origem grega, que significa, literalmente, “Estado governado por ladrões” , cujo objetivo é o do roubo de capital financeiro dum país e do seu bem-comum.

O dicionário diz que autismo é o “Transtorno global do desenvolvimento, caracterizado pela incapacidade de interação social, pela dificuldade na comunicação verbal, ou no uso da linguagem, e pela concentração excessiva em pensamentos e sentimentos pessoais em detrimento do mundo exterior.”

Somem essas duas características e teremos o perfil da petezada no governo. Incapazes de perceber erros cometidos, interagir com a sociedade e assimilar o mundo de corrupção que nos cerca. Está chegando a hora do PT acabar.

Como conseguem?

Assim, têm a capacidade de comemorar 35 anos de fundação ignorando aquilo que se tornaram. No máximo, saem de cena por alguns instantes, apenas para que a opinião pública esqueça quem são os verdadeiros protagonistas.

Nessa estratégia, Dilma havia enfiado a cabeça no buraco para só voltar ao picadeiro durante a reunião com a arquibancada ministerial. Foi derrotada na Câmara dos Deputados, onde já há admissibilidade de nova CPI.

Por lá, Eduardo Cunha lidera um parlamento que tem pressa. Por isso, tornou a quinta-feira dia de sessões ordinárias. Detalhe que acelera os prazos da Casa, como votações de Propostas de Emenda Constitucional (PEC´s), casos da Reforma Política e Orçamento Impositivo.

Uma trapalhada atrás da outra

Essas pedras no sapato do PT e do Governo, que discordam – primeiro um, depois o outro – das propostas, não são nada se comparadas às articulações desastradas na mula sem cabeça que se transformou a Petrobrás. Agora, com um presidente bancário para administrar comissões.

Na tentativa de fazer uma “transição de gestora”, Dilma havia acordado a saída da “amiga” em um mês (ou “trinta dias” de fevereiro, com interstício de Carnaval). Esqueceu-se de “combinar com os russos” e teve o tapete puxado por Graça Foster e os cinco Josés que compunham a diretoria da estatal.

Dia seguinte, enquanto procura alguém para segurar a bomba na petrolífera, a Polícia Federal explode nova etapa da Operação Lava-jato, levando o tesoureiro de sua agremiação a depor sob condução coercitiva, apontado como um dos possíveis integrantes do esquema de propina.

E, diante de toda essa harmonia, com implicações oriundas da passagem do (nunca antes tão calado) ex-presidente Lula pelo governo, foram todos comemorar os 35 anos de fundação de seu partido. Momento mais que perfeito para se celebrar o poder alcançado.


Mau exemplo

Restou à governabilidade agradecer ao aliado de todas as horas junto ao Legislativo: Renan Calheiros. É ele que, em meio a manobras políticas e regimentais, tem segurando o rojão de uma administração à beira da esquizofrenia.

O Senador vestiu tanto a camiseta que foi pro embate com Aécio Neves de dedo em riste, enquanto a platéia governista reclinava as cadeira para assistir de camarote. Por trás da disputa a uma cadeira na Mesa Diretora estava a saída da senadora Lúcia Vânia do PSDB, fato sabido nos bastidores do Senado.

Ambos os parlamentares estão errados. Calheiros é uma entidade. Deixou de lado sua representação e foi pro fight com Aécio, que, volta e meia, esquece-se que, pra ser presidente, há de se ter postura, galardia e elegância. Não cabe mais a ele esse tipo de destempero, mesmo que justificado.

Sede ao pote

Toda essa algazarra no Legislativo está relacionada à linha sucessória e a quem e quando cada um pode assumir a presidência. Temer deixa seus bispos no tabuleiro, enquanto, na surdina, aguarda o cheque-mate do impeachment.

Vale lembrar que, na época de Collor, a ebulição não era tamanha e, quisesse mesmo apoio político, Dilma deveria ter iido ao Congresso Nacional abrir o Ano Legislativo e não enviado um ministro não quisto nas Casas.

São relações deterioradas nas representatividades partidárias e o desleixo entre os poderes que tendem a piorar e corroborar com o autismo na governabilidade. Na petelândia, Dirceu pode ser presidente.

Fonte: Publikador.com

Postado por: SGT JOSENY RR

Senador quer Plebiscito para instituir prisão perpétua no Brasil


Magno Malta quer plebiscito para
instituir prisão perpétua no Brasil

Segundo o senador Magno Malta (PR/ES) “no Brasil a lei não é severa e justa. A pena no País não pode ultrapassar o teto de 30 anos, em caso de doenças e idade avançada. Um criminoso que assalta e assassina várias pessoas, pode ser condenado até mais de 200 anos em regime fechado, mas só vai cumprir até 30 anos de reclusão e com tantos benefícios do Código Penal em favor do preso, como regime semi aberto para estudar ou trabalhar e com apenas 1/3 da pena cumprida, já pode gozar de liberdade total. É uma falácia. Por isso, na próxima terça-feira, vou entregar na Comissão de Constituição e Justiça – CCJ – do Senado, requerimento solicitando plebiscito no Brasil este ano, para instalação de uma mini-constituinte ou constituinte exclusiva com objetivo de ouvir a população para decidir se quer ou não prisão perpétua para narcotraficantes, pedófilos e corruptos. E quero também que sequestro relâmpago e assaltos na porta de bancos conhecidos como “saidinhas”, sejam classificados como crimes hediondos. Prisão perpétua no Brasil já. Precisamos de leis severas para diminuir a impunidade que vai refletir diretamente na crescente violência urbana”, informou Magno, em entrevista exclusiva ao jornal A Tribuna.

As recentes manifestações populares trouxeram à pauta de discussão a efetivação de instrumentos que viabilizam a chamada soberania popular. Magno Malta tentando amenizar o clamor das ruas, quer a realização de uma mini-constituinte ou constituinte exclusiva. “Podemos dizer que o povo não acredita nas leis brandas e a impunidade é um fermento que faz crescer cada vez mais a violência em todos os sentidos. A população quer ser ouvida”, afirma Magno.

Pela vasta experiência de homem público, senador Magno Malta é firme nas palavras. “Congresso Nacional não vota leis mais duras por descaso e falta de sensibilidade com a dor alheia. Pesquisas realizadas por vários institutos, inclusive pelo próprio Senado Federal revelam que 90% da população e do parlamento querem a redução da maioridade penal, mas na hora de votar não escutam o anseio popular e votam com o governo que em nome da ideologia política não trata esta pauta com responsabilidade. A famosa base do governo fecha os olhos para as vítimas de criminosos cruéis”, lamentou Magno Malta.

Questionado sobre a falta de vontade política no parlamento para tramitação de leis mais duras, como redução da maioridade penal, Magno concordou plenamente e foi taxativo. “Neste recente processo eleitoral, vários senadores e deputados não foram reeleitos porque não votaram na redução da maioridade penal, não atenderam o anseio popular e perderam as eleições. Trocaram os benefícios duvidosos que recebem do Palácio do Planalto pela vontade popular e pagaram preço alto”

Quanto ao lobby de advogados e representantes dos Direitos Humanos, Magno também esclareceu. “Nenhum advogado teve a coragem de me procurar para este tipo de coisa, mas com certeza existe o lobby para manter leis frouxas, leis que permitem a impunidade e no caso dos Direitos Humanos falta defender também os humanos direitos, pois respeito esta entidade internacional, mas não concordo quando só quer proteger bandido e esquece os humanos que são direitos, pois direitos humanos não pode ser proteção, não concordo em proteger criminoso, pessoas com desvio de conduta, simplesmente em nome dos direitos humanos. É preciso ter sensibilidade para pensar também nas vítimas. Nenhum lobista teve a ousadia de chegar ao meu gabinete para sugerir algo que venha ferir meus princípios”.

Em poucas palavras, senador Malta revelou os verdadeiros motivos que impedem aprovação de leis mais duras para combater a criminalidade. “A maioria dos parlamentares ainda tem medo do Governo atual, a omissão é notória e infelizmente a total falta de compromisso com o eleitor”, encerrou lamentando a crescente violência prometendo lutar pela prisão perpétua no Brasil para crimes qualificados como hediondos.
Fonte:http://paulorobertonauniao.blogspot.com.br/2015/02/senador-quer-plebiscito-para-instituir.html

Postado por: SGT JOSENY RR
Está em análise na Câmara Federal,  proposta de um  Deputado Federal láááá do Maranhão, a PEC 445/14, que nivela o subsídio da PCDF e PF, de 50 a 80% (agente/delegado), com o subsídio dos Ministros do Supremo Tribunal Federal.  Segundo ele, "a proteção e a valorização dessas carreiras deverão constar na Constituição Federal para garantir uma REMUNERAÇÃO DIGNA e ESTÁVEL em favor dos seus integrantes". Legal né? Mérito deles! Mas vamos a alguns questionamentos e fatos!
Onde a PMDF e o CBMDF entrarão nessa tal "valorização"? Ou só tem serviço e arrocho? Cadê, AO MENOS, o Plano de Carreira da PMDF/CBMDF?
Dia desses estava conversando com um colega que está no topo da carreira. Disse para ele que o governador Rollemberg está nos devendo um Plano de Carreira. Sabe o que ele disse? "que devemos trabalhar, mostrar serviço para sermos ao menos "dignos" dos reajustes que foram concedidos no governo AGNELO".
Brincadeira né? Como é que pode uma coisa dessas? A PMDF/CBMDF tem que "mostrar serviço", num governo que não concedeu NADA para a PMDF/CBMDF, para sermos dignos do reajuste de "outro" governo, que sequer é dele? É mole?
Com certeza a PCDF, através do "embalo" da PF, será atendida em seus pleitos, mérito deles, com certeza terá uma "ajudinha" do GDF. Aliás,  torço pra eles!
Sendo assim, questiono novamente: E quanto a PMDF/CBMDF? É só serviço?  Arrocho?
Cadê o PLANO DE CARREIRA senhor governador? As promoções, em especial, das PRAÇAS, estão travadas! Ou vai dizer que só vai "pensar" em conceder aumento que nem seu é (por incrível que pareça, foi de Agnelo) se a PMDF/CMBDF "mostrar serviço"?
Sabia que teve colega que esperou de 15 a 20 anos, como SOLDADO, para ser promovido a Cabo, para "conquistar" 150 reais de "reajuste"? É justo?
Hoje as Corporações estão à espera de um milagre (sofrida promoçãozinha).
Esse recado "também", vai para os representantes do DF, senadores, deputados,  entre eles,  DEPUTADO FRAGA (Coronel da PMDF), SENADOR HELIO (que ficou no lugar de Rollemberg,  hoje Governador). E os senhores que são representantes do "próprio Distrito Federal"? Precisa de um Deputado de "outro estado" para os senhores se compadecerem (se é que vão) com a situação da PMDF/CBMDF? Aliás,  Corporações que "carregam nas costas" a Segurança Pública do Distrito Federal e compõe mais de 80% da Secretaria de Segurança Pública do DF.
Plano de Carreira PMDF/CBMDF pra ontem! Já!
Sérgio Prado

Postado por: SGT JOSENY - RR
GDF lança programação de carnaval e promete ‘apoio logístico’

Mil PMs vão reforçar patrulhamento; Metrô terá funcionamento estendido.
Em cerimônia, Rollemberg arriscou passos e tocou percussão com bloco.

Mateus RodriguesDo G1 DF
O governo do Distrito Federal lançou nesta sexta-feira (6) a programação oficial dos blocos de rua para o carnaval de 2015. As agremiações não vão receber dinheiro público, e recorreram ao financiamento de empresários para viabilizar a festa. Mais caro, o desfile das escolas de samba não conseguiu o investimento necessário e foi cancelado.
A cerimônia foi realizada no salão do Palácio do Buriti, e contou com a presença de blocos tradicionais como o Galinho de Brasília e a Baratinha de Ceilândia. Durante a apresentação de músicos do Asé Dudu, o governador Rodrigo Rollemberg arriscou passos de dança e batidas de percussão (veja vídeo acima).
“Quero fazer um profundo agradecimento a cada um de vocês que fazem a alegria do carnaval. Vocês sabem a dificuldade que nós encontramos, o que não permitiu que o governo apoiasse com recursos”, declarou Rollemberg.
O governador anunciou também uma parceria com o governo de Pernambuco, que enviará músicos da orquestra sinfônica para tocar no Galinho de Brasília. Segundo o diretor da Liga dos Blocos Tradicionais, Jean de Souza, cerca de 850 mil foliões são esperados para a festa.
Estrutura
O secretário de Turismo, Jaime Recena, anunciou reforços na estrutura urbana e de segurança durante a folia. “O GDF não apoiou financeiramente, mas não evitamos esforços para garantir a realização da festa. Assim como nos outros anos, vai acontecer com a maior segurança possível”, disse.

Entre a sexta-feira de Carnaval (13) e a terça-feira seguinte (17), o patrulhamento de rua será reforçado por 1 mil policiais militares por dia. A corporação vai utilizar 126 viaturas, 25 bases comunitárias móveis e 70 motos para ajudar no policiamento.
Nos mesmos dias, o Metrô funcionará em horário estendido, entre 6h e 2h. Na quarta-feira de Cinzas (18), o serviço retoma o funcionamento normal, até as 23h30.
Na área de saúde, o GDF anunciou um aumento de 40% na distribuição de preservativos aos foliões, graças a uma parceria com o governo federal. No total, 1,4 milhão de camisinhas devem ser entregues em postos de saúde, ONGs e blocos de rua. Seis postos de testagem de HIV/Aids e síflis serão montados em Ceilândia, Samambaia, Taguatinga, Gama, Santa Maria e Vila Planalto.
O Detran dará apoio no isolamento das áreas próximas à festa e na orientação de trânsito. Equipes do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) serão reforçadas para evitar o acúmulo de lixo. Vendedores ambulantes autorizados receberão equipamento para recolher a sujeira e entregar em postos definidos pelo governo.
Programação
A contenção de gastos levou a liga dos blocos a cancelar o Gran Folia, circuito percorrido pelas agremiações. Os blocos tradicionais – Asé Dudu, Baratinha, Baratona, Galinho de Brasília, Mamãe Taguá, Menino de Ceilândia, Pacotão e Raparigueiros – farão 16 apresentações pela capital. A programação pode ser conferida no site da Liga.

Cerca de 20 blocos independentes também animam a programação da capital desde o dia 25 de janeiro, com eventos de pré-carnaval. Cafuçu do Cerrado, Babydoll de Nylon, Concentra Mas Não Sai e Aparelhinho são alguns dos blocos previstos para os próximos dias no DF. Eles também receberão o apoio logístico do governo para garantir a segurança dos foliões.
Fonte:http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2015/02/gdf-lanca-programacao-de-carnaval-e-promete-apoio-logistico.html
SGT RR JOSENY